Autor Tópico: Unity, início e fim  (Lida 174 vezes)

Offline jomafras

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 2.009
  • 17.04 Zesty Zapus
    • Ver perfil
Unity, início e fim
« Online: 10 de Abril de 2017, 21:18 »
"O Unity estreou na versão para netbook do Ubuntu 10.10 e foi desenhado inicialmente para fazer um uso mais eficiente do espaço das telas limitadas dos netbooks, porém devido ao sucesso tornou-se a interface padrão do Ubuntu 11.04 que também incluía ainda o GNOME como opção. Diferente do GNOME, KDE, Xfce e LXDE, o Unity não incluía aplicações, já que foi feito para usar programas em GTK+ já existentes. A partir da versão 11.10 do Ubuntu, o Unity passou a ser a única interface padrão.
No dia 5 de Abril de 2017, foi anunciado que o Unity não será mais desenvolvido. A partir da versão 18.04 LTS, o Ubuntu terá como desktop padrão o GNOME."

Estava revisando o Fórum com relação ao lançamento das versões do Ubuntu (tópicos oficiais), antes do Unity e a diferença é brutal.

1- Ubuntu 9.10, Karmic Koala, 343.038 visualizações, com 1.406 resposta no tópico.
2- Ubuntu 10.04, Lucid Linx, LTS, 370.582 visualizações, com 1.233 respostas.
3- Ubuntu 12.04, Precise Pangolin, LTS, 164.872 vizualizações, 1.186 respostas.
4- Ubuntu 14.04, Trusty Tahr, LTS, 140.252 visualizações, menos de 750 respostas.
5- Ubuntu 16.04, Xenial Xerus, LTS, 48.954 visualizações, respostas (?) muito menos que os outros.

Como bem disse o agente100gelo, antigamente se discutia desde a alfa 1 até a versão final e tinha assunto pra carvalho!
É fácil observar aqui, na própria casa do Ubuntu, a sua queda vertiginosa.
Estou torcendo para uma nova ascenção!
« Última modificação: 11 de Abril de 2017, 08:35 por jomafras »
O Ubuntu sem dúvida é a melhor Distro.
Pesquise primeiro... só depois abra um tópico.
Canal do YouTube - Blog

Offline jkmsjq

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 3.321
  • Ubuntu Member
    • Ver perfil
Re:Unity, início e fim
« Resposta #1 Online: 10 de Abril de 2017, 21:44 »
O Unity estreou na versão para netbook do Ubuntu 10.10 e foi desenhado inicialmente para fazer um uso mais eficiente do espaço das telas limitadas dos netbooks, porém devido ao sucesso tornou-se a interface padrão do Ubuntu 11.04 que também incluía ainda o GNOME como opção. Diferente do GNOME, KDE, Xfce e LXDE, o Unity não incluía aplicações, já que foi feito para usar programas em GTK+ já existentes. A partir da versão 11.10 do Ubuntu, o Unity passou a ser a única interface padrão.
No dia 5 de Abril de 2017, foi anunciado que o Unity não será mais desenvolvido. A partir da versão 18.04 LTS, o Ubuntu terá como desktop padrão o GNOME.

Estava revisando o Fórum com relação ao lançamento das versões do Ubuntu (tópicos oficiais), antes do Unity e a diferença é brutal.

1- Ubuntu 9.10, Karmic Koala, 343.038 visualizações, com 1.406 resposta no tópico.
2- Ubuntu 10.04, Lucid Linx, LTS, 370.582 visualizações, com 1.233 respostas.
3- Ubuntu 12.04, Precise Pangolin, LTS, 164.872 vizualizações, 1.186 respostas.
4- Ubuntu 14.04, Trusty Tahr, LTS, 140.252 visualizações, menos de 750 respostas.
5- Ubuntu 16.04, Xenial Xerus, LTS, 48.954 visualizações, respostas (?) muito menos que os outros.

Como bem disse o agente100gelo, antigamente se discutia desde a alfa 1 até a versão final e tinha assunto pra carvalho!
É fácil observar aqui, na própria casa do Ubuntu, a sua queda vertiginosa.
Estou torcendo para uma nova ascenção!

Acredito que as características do GNU/Linux provocaram tal quadro: (1) a diversidade de distros; e, (2) a facilidade de uso que as distros GNU/Linux adquiriram nos últimos anos.
LinuxUser: 548942 / Dando um tópico como resolvido
"A verdade só é agressiva a quem vive de mentiras". Autor desconhecido.
Twitter: @jeisonkertesz

Offline agente100gelo

  • Administrador
  • Usuário Ubuntu
  • *****
  • Mensagens: 4.236
  • @Ceará
    • Ver perfil
Re:Unity, início e fim
« Resposta #2 Online: 11 de Abril de 2017, 09:17 »
Eu não culpo o Unity pela queda de acesso e interesse.

Culpo:

1) O aumento do tempo de uso de smartphones que retirou parte das atribuições do desktop.
2) A maior facilidade do Ubuntu que deixou muita coisa que era feito por gambiarra automática ou mais fácil.
3) O aumento do market share do Google Chrome que retirou várias dificuldades que tínhamos em acessar alguns sites (Netflix por exemplo).
4) A falta de novidades pra valer no Ubuntu.
5) Diminuição do engajamento dos usuários Linux que hoje mais querem que o negócio funcione do que lutar para que outras pessoas utilizem o SO.
Advogado e analista de sistema cearense.
Twitter: @glaydson