Autor Tópico: Um par de olhos no Ubuntu  (Lida 2675 vezes)

Offline Frank K Hosaka

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 52
    • Ver perfil
Um par de olhos no Ubuntu
« Online: 24 de Janeiro de 2010, 05:01 »
Eu sou usuário dual boot do Ubuntu 9.10 e Windows 7, e acho que sou o único usuário que teve a sorte de ter um notebook que trava, quando usa qualquer um desses sistemas. De acordo com o Dr Esio Lopes do fórum Terra Religião, o problema não é mecânico nem lógico, mas sim a velha pecinha que fica na frente do monitor.

Mas estou contente com esses dois sistemas. Não sei o que acontece lá no fórum do Terra que faz todo o micro ficar travado, mas pelo menos o Ubuntu responde ao meu grito de desespero com o CTRL+ALT+DEL, fazendo todo o micro reinicializar. Já o Windows 7 permite eu derrubar o programa travado, sem precisar reinicializar todo o micro. O Windows 7 é bem melhor que o Vista, eu fiquei contente com a decisão da Microsoft colocar na versão Premium a opção de gravar senhas de rede através do que eles chamam de "Credenciais de Usuários".

Mas tanto o Windows 7 bem como o Ubuntu tem recursos incrivelmente inúteis. Por besteira minha, eu removi o relógio do painel superior do Ubuntu. Para tentar recuperar, ativei o comando Adicionar ao Painel, à procura do relógio. Mas no meio do caminho encontrei "um par de olhos". Morto de curiosidade, pedi para ativá-lo. E sabe o que ele faz? Ele acompanha o movimento do mouse, e se você colocar no meio dos olhos, ele fica vesgo.

Já o Windows 7 traz do lado direito do relógio um retângulo quase que invisível, ele serve para mostrar a área de trabalho. Nas versões anteriores, você era obrigado a clicar no comando ou no atalho da barra de Rápida Inicialização, agora basta encostar o mouse. Esse recurso é muito inútil, a menos que você participe do fórum da religião Terra. Imagine que você está recebendo visitas de amigos ateus, e você tem pouco tempo para esconder todas aquelas mensagens dos crentes falando que só Jesus salva, assim basta você encostar o mouse no canto inferior direito, que toda a prova do crime desaparece, e ninguém vai descobrir que você teve uma recaída, mas é preciso rezar para que ninguém mexa no mouse. Algo semelhante acontece no Ubuntu, quando você navega pelos arquivos de mídia, basta você colocar o mouse encima do mp3 que o Ubuntu já vai executando o som.

Seja como for, é muito mais agradável navegar pelos bancos pelo Firefox do Ubuntu do que pelo Internet Explorer do Windows 7, com exceção da Caixa Econômica Federal. O Ubuntu não confia nesse site, e sugere três vezes para você cair fora daquele site, sob o risco de que os seus arquivos mais íntimos sejam expostos no planeta inteiro, além dos malvados hackers.

Um ponto positivo do Windows 7 é transformar a área de trabalho numa tela de proteção. Toda vida, desde Windows 95 até o Windows Vista, sempre tive problema com a tela de proteção, ele nunca conseguia entrar no ar, quando selecionava slide de imagens. Agora o fundo da área de trabalho está amarrado com uma pasta de imagens que você escolher. O único problema é diminuir o tempo de transição de uma foto para outra, talvez isso venha no Windows 8, quando então o usuário poderá fazer do seu micro um porta retrato digital. Isso iria ser um sucesso com os católicos que gostam de ver Maria, São Dimas, Santo Antonio, São Jorge, e assim vai, em período menor que um minuto.

Finalmente, hoje é viável ter um dual boot. Tanto o Ubuntu 9.10 como o Windows 7 são rápidos na inicialização bem como no encerramento, e dez segundos é um bom tempo para você escolher o sistema pela tela do Grub. Melhor mesmo é abandonar a Microsoft, mas há muita coisa no MS Office que não sei como fazer no OpenOffice, como fazer etiquetas através do PowerPoint baseado numa tabela do Access ou fazer o Access mostrar três tabelas em andamento em três terminais diferentes numa só janela.