Autor Tópico: Adorei o Ubuntu 10.10  (Lida 3677 vezes)

Linaangel

  • Visitante
Adorei o Ubuntu 10.10
« Online: 26 de Janeiro de 2011, 01:19 »
Olá pessoal do Fórum Ubuntu Linux - PT! Olá visitantes!
Faz tempo que queria entrar no fórum p/ relatar minha experiência c/ Linux, até que vi aberta esta nova discussão.
Outro dia eu ri demais ao ler o desabafo de um rapaz no fórum do Satux – distro Linux usada nos notebooks da CCE, isso porque lembrei de minha primeira experiência c/ Linux.
Tudo começou quando, em 2008. Resolvi experimentar um notebook c/ intenção de me livrar do PC. Comprei um Positivo Mobile V42 que já vinha instalado c/ o Mandriva Linux. “Ó...!”, pensei comigo, “Linux! Finalmente vou conhecer esse tal Linux que vezincando vejo em revistas nas bancas”. A primeira impressão até que foi boa, mas “aquilo” parecia meio instável – às vezes apareciam riscos na tela, tremidas, congeladas e etc. Fuça daqui e de lá quando... acontece o primeiro “bug”, aliás, eu batizei depois como “bug sina” pois não há uma distro que eu escolha p/ testar em que esse tipo de bug não ocorra: você clica num ícone, numa barra ou outro item da área de trabalho e o infeliz some.... para sempre! Pensam que isso não me aconteceu também no Ubuntu 10.10? Com certeza, mas só no PC. O notebook continua ilibado... rsrs. Sim, hoje eu tenho o Ubuntu instalado nos 2: PC e notebook... e sozinhos, ao lado de mais “ninguém”!
Mas, voltando à estória. Bom, depois de uma semana eu também disse “Que coisa é essa? Socorro!”, apaguei e instalei o bom e véio Win XP. Mas... a sementinha ficou, e dava suas mexidinhas toda vez q eu me irritava c/ a segurança do Win e c/ os atravancantes antivírus, além, é claro, do eterno estado de “obscuridade”. Daí em diante, sempre que passava na banca de jornal, ficava procurando o tal Linux, até que vi o CD do Ubuntu 8.04. Comprei, rodei tanto no PC quanto no NB, mas não foi daquela vez. Mostrou-se tão ou mais instável que o Mandriva, além de que, ao tentar a primeira e principal atualização, c/ a esperança de que elas fossem sanar aquela instabilidade, eu fui agraciada por mais um bug, e esse era dos bons: um único arquivo da atualização melava a inicialização. Mas a experiência foi útil pois foi aí que descobri que gosto mais do ambiente Gnome que do Kde. O Gnome tem mais “cara” de Linux.
Continuando em minha busca, fui comprando todas as versões de Ubuntu posteriores, além de Kurumin, Fedora, Famelix, etc. Por duas vezes desisti e joguei tudo fora p/ depois sair correndo atrás do arrependimento. Acabei descobrindo que a maioria dos computadores são elaborados em função da Microsoft, então, na maioria das vezes, a grande dificuldade é encontrar uma distro que vista direitinho nossa máquina.
Até que descobri um tal de Puppy que me fez fazer as pazes c/ o Linux, isto é, estabilizou bem em minhas máquinas e me deu a oportunidade de, finalmente, conhecer melhor o SO. Mas s/ muita profundidade pois c/ o Puppy é preciso ter as “unhas boas”. O pessoal da época do DOS gosta mais dele de quem já começou a usar computador com Windows.
Então, em outubro do ano passado (2010), foi lançado o Puppy 5.0 e 5.1, chamado Lucid Puppy, referindo-se ao seu atual intercâmbio c/ a Canonical / Ubuntu. Adorei! Finalmente podia ouvir músicas c/ ele. Decidi instalá-lo no NB, sozinho, forçando-me a me acostumar mais com o Linux. Até que aconteceu mais uma vez o inevitável: rsrs... a barra inferior sumiu... e não queria voltar Mesmo! 2 semanas depois, passando pela banca, estava lá – Ubuntu 10.10... Comprei! Rsrsrs... instalei... Rodou!!! Adeus Bill! Ubuntu 10.10 é Dez! :D
Só tem um (1) porém: sem uma boa conexão (e direta cabo) de internet, a instalação fica incompleta e na unha fica difícil descobrir tudo o que faltou. Melhor mesmo é instalar o Ubuntu c/ o computador cabeado direto. Wireless, só p/ as atualizações seguintes.
Bem, tenho outras experiências p/ dividir c/ vocês, mas fica para a próxima.

Offline velox256

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 1.915
  • Debian é Debian... :)
    • Ver perfil
    • Linux Inside
Re: Adorei o Ubuntu 10.10
« Resposta #1 Online: 26 de Janeiro de 2011, 07:55 »
Isso me faz lembrar o dia em que eu fui no Edifício Central (referência no Rio de Janeiro para compras de informática) qdo vi, em um dos boxes, um cara com um notebook da Acer com o Limpuz Linux (uma das distros chamadas "FS" de fala sério, hehehehe) instalado muito "tuto" da vida reclamando com o vendedor que o micro não inicializa, fica só na tela preta do prompt e como o vendedor tem  coragem de vender um produto onde não se pode fazer nada, e o pior é que o cara tinha comprado o note na parte da manhã do mesmo dia. O vendedor argumentou que seria necessário deixar o note na "loja" para o "técnu" deles desse uma olhada (e que iria sugerir colocar Windows...), mas o cara que comprou o note pediu para ver um outro note também com Limpuz eventualmente funcionando para ver se ele mesmo poderia fazer o bagulho. O quê aconteceu? Nos outros notes testados ocorreu a mesma coisa.

O cara estava quase dando porrada no vendedor; aí eu saí e fui para a praça de alimentação fazer um lanche qdo pouco depois o cara aparece na praça, com o note ligado, digitando uns comandos pra ver se a interface entrava. Fui à mesa dele, pedi licença (ou é licensa?) e expliquei-lhe que pra fazer essa distro de Linux funcionar ele deveria ter uma conexão direta com a internet para baixar as coisas direto do desenvolvedor. Então eu me ofereci para colocar uma distro decente de Linux na máquina dele, ali mesmo. Peguei minha cumbuca de cd/dvd que sempre levo comigo e tasquei o Debian Lenny nele via live-dvd feito com o Remastersys e em pouco menos de uma hora, usando uma das várias redes sem fio abertas dentro do shopping, lá estava tudo instalado, atualizado e com compiz e tudo mais. O cara quase chorou ao ver o notebook funcionando todo cheio de sacanagem, tela pegando fogo, ou "molhadinha" e tal; pagou o meu lanche (hehehehehe) e voltou lá no box pra "esfregar" a máquina na cara do vendedor que, coitado, não tinha culpa de nada.

Vc é um caso raro no mundo dos usuários de Windows; qdo teve seus problemas, normalmente as pessoas passam a odiar o Linux, eu mesmo já coloquei fogo nos cds de instalação do Slackware e passei a ser um odiador de carteirinha de Linux (fazer julgamento do Linux inteiro apenas por uma distro é algo comum), mas isso foi há anos atrás... Hj, sinceramente, não me vejo usando minha (ou minhas...) máquina apenas com o Windows, no mínimo é dual boot por razões "comerciais"... :D
Computador perereca, com disco perereca, monitor perereca e sistema super xuxu. Visitem a minha página em http://sidserra.k6.com.br ou meu blog em http://sidserra.blogspot.com.br.

Offline rjbgbo

  • Usuário Ubuntu
  • *
  • Mensagens: 3.889
  • Xubuntu 18.04LTS
    • Ver perfil
    • Twitter
Re: Adorei o Ubuntu 10.10
« Resposta #2 Online: 26 de Janeiro de 2011, 11:26 »
Isso me faz lembrar o dia em que eu fui no Edifício Central (referência no Rio de Janeiro para compras de informática) qdo vi, em um dos boxes, um cara com um notebook da Acer com o Limpuz Linux (uma das distros chamadas "FS" de fala sério, hehehehe) instalado muito "tuto" da vida reclamando com o vendedor que o micro não inicializa, fica só na tela preta do prompt e como o vendedor tem  coragem de vender um produto onde não se pode fazer nada, e o pior é que o cara tinha comprado o note na parte da manhã do mesmo dia. O vendedor argumentou que seria necessário deixar o note na "loja" para o "técnu" deles desse uma olhada (e que iria sugerir colocar Windows...), mas o cara que comprou o note pediu para ver um outro note também com Limpuz eventualmente funcionando para ver se ele mesmo poderia fazer o bagulho. O quê aconteceu? Nos outros notes testados ocorreu a mesma coisa.

O cara estava quase dando porrada no vendedor; aí eu saí e fui para a praça de alimentação fazer um lanche qdo pouco depois o cara aparece na praça, com o note ligado, digitando uns comandos pra ver se a interface entrava. Fui à mesa dele, pedi licença (ou é licensa?) e expliquei-lhe que pra fazer essa distro de Linux funcionar ele deveria ter uma conexão direta com a internet para baixar as coisas direto do desenvolvedor. Então eu me ofereci para colocar uma distro decente de Linux na máquina dele, ali mesmo. Peguei minha cumbuca de cd/dvd que sempre levo comigo e tasquei o Debian Lenny nele via live-dvd feito com o Remastersys e em pouco menos de uma hora, usando uma das várias redes sem fio abertas dentro do shopping, lá estava tudo instalado, atualizado e com compiz e tudo mais. O cara quase chorou ao ver o notebook funcionando todo cheio de sacanagem, tela pegando fogo, ou "molhadinha" e tal; pagou o meu lanche (hehehehehe) e voltou lá no box pra "esfregar" a máquina na cara do vendedor que, coitado, não tinha culpa de nada.

Vc é um caso raro no mundo dos usuários de Windows; qdo teve seus problemas, normalmente as pessoas passam a odiar o Linux, eu mesmo já coloquei fogo nos cds de instalação do Slackware e passei a ser um odiador de carteirinha de Linux (fazer julgamento do Linux inteiro apenas por uma distro é algo comum), mas isso foi há anos atrás... Hj, sinceramente, não me vejo usando minha (ou minhas...) máquina apenas com o Windows, no mínimo é dual boot por razões "comerciais"... :D


kkkk
imagino que cena engraçada de se ver.
Linux User #440843 | Ubuntu User #11469

Linaangel

  • Visitante
Re: Adorei o Ubuntu 10.10
« Resposta #3 Online: 26 de Janeiro de 2011, 22:26 »
Olá Pessoal!
Gostar ou não do Linux, como gostar ou não do diferente é uma questão de vivência.
Atualmente, devido minhas atividades, eu me considero uma mera (e topetuda..rsrs) usuária de computador, que o liga apenas em momentos livres, p/ espairecer, trocar e-mails, fazer pesquisas, imprimir algum doc., tudo regado c/ música. Já tive momentos em que o computador foi meu instrumento de trabalho e outros de estudo.
Eu conheci um computador quando já estava no Win95. Quando o chefe saia, eu ia lá fuçar, na surdina. Antes disso, quando nem sonhava que um mero mortal pudesse ter um computador pessoal e este ainda era do modelo “monobloco” (rsrsrs), pela escola fiz um curso de programação “b-a-s-i-c” - basic mesmo, mas na época gostei muito. Pena que o curso foi curto e também nunca mais nem cheguei perto de outra coisa parecida. Se me perguntarem hoje do assunto, só me lembro da palavra (comando) “goto”.
Meu primeiro PC foi montado c/ peças de fora e quem instalou o Win p/ mim foi outra pessoa. C/ o tempo, fui aprendendo a instalar as coisas, mesmo porque tudo foi ficando mais mastigado.
Para não me delongar mais, isso que escrevi até aqui foi p/ exemplificar a palavra vivência, lá do início.
Ter o espírito aberto p/ o novo depende das experiências e capacidade de adaptação que cada um tem. Se não tem xícara, bebe no copo, se não tem pires... dane-se, quem precisa?!
Quando me deparei pela primeira vez c/ o Linux eu já sabia que não era igual ao Win ou ao Mac. Antes de conhecer o Linux, p/ mim ele era uma coisa que exigia mais do que apertar o botão power. Não sabia se era tosco ou não, se isso ou aquilo. Só sabia que era algo diferente. Hoje eu tenho Ubuntu em minhas 2 máquinas e me recuso a usar o Wine. Eu tenho que me adaptar ao Linux, ao que ele pode me oferecer a partir de hoje e espero, por muitos anos. Relações turbulentas c/ ele sempre teremos, como c/ qualquer coisa que não conhecemos bem. Uns terão mais tempo de encontrar as respostas e outros só poderão esperar pois em suas realidades o PC é simplesmente uma ferramenta que já deverá vir pronta pois suas mentes estarão ocupadas c/ outros problemas e outras ciências.
Quando conheci o Puppy, instalei-o junto ao Win, aos trancos e barrancos e c/ muita ajuda. Só o usava para navegar na rede e o que mais me chateava era não conseguir arrancar um som dele. Mas era meu xodó. Eu não entendo “pissirica” de programação, mas era meu xodó. Enquanto isso, ia vendo o Win XP sendo encurralado, minhas máquinas ficando obsoletas até p/ um simples navegador (ambas são Celeron). Sem contar que no Win você não perde tempo aprendendo algo útil mas sim a instalar antivírus, limpadores, defragmentadores e etc “ores” e ainda aguentar suas famosas perguntas “infames”.
Vi o Vista chegar e passar: “não vou trocar minhas máquinas por causa de um programa pesado e travado”! Veio o Seven: “mas minhas máquinas, ainda estão boas, porque trocar agora”? Estava ansiosa p/ conhecer o Seven, até que, ao mesmo tempo em que estava testando o Ubuntu 10.10, uma amiga sem noção nenhuma de nada, resolveu ter internet e comprou um notebook c/ Win7 instalado. Gentemmm... gostei naum...! É estiloso, cheio de “defeitos” especiais, aquelas perguntas infames mais infames do que nunca... daí eu chego no Explorer... mas que Explorer que nada! Agora é Biblioteca e, se não me falha a memo, agora tem de pedir licença p/ mudar uma pasta de lugar. Nononono... no gostei. Prefiro o Ubuntu. Mesmo tendo uns probleminhas mínimos (que sorte!). Cheguei a instalar o Seven p/ poder entender o que tinha acontecido e conseguir explicar algo p/ minha amiga, mas eu, inconformada c/ a tal Biblioteca, não consegui ficar c/ ele sequer uma semana. Xô! Rsrsrs.  :P
Inté p'ôceis!